Arte

Texturas de Berlim

Surfaces / Textures

Composições do tempo e o residual se transformam em arte pelas lentes e sensibilidade da fotógrafa brasileira Paula Faraco. Há oito anos morando em Berlim, ela passeia com sua câmera analógica por cenários inusitados como o cemitério Luisenstadt e o Lago Krumme. Desta vez, a convite do Cena Crua, o recorte dos rolos que veremos a seguir privilegia as estampas e as cores de texturas orgânicas, como uma forma de homenagear o instante, elemento essencial da vida e das nossas horas.

Com uma câmera Mamyia 7 II (formato 6×7), lente 65mm e filme colorido Fuji 400H, Paula, produziu essa série que nos traz o ambiente de Berlim sob uma ótica deslocada da usual. A Berlim urbana e cosmopolita, aqui, cede espaço para a sua faceta crua.

A artista

Paula Faraco é carioca, morou em Paris e depois de uma rápida visita a Berlim, resolveu se mudar e viver no centro de seu dinamismo artístico. Estudou Fotografia na Ostkreuzschule für Fotografie e hoje é freelancer, fotografando retratos, paisagens pelo mundo, projetos de moda e de arte.

Sua paixão pelo cinema é antiga, aliás foi assim que nos conhecemos, em um set no qual ela era assistente de fotografia, há anos e anos. Agora, também costuma clicar still para filmes, sempre com um olhar particular sobre o belo e o estranho do mundo ao seu redor.

Surfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / TexturesSurfaces / Textures

+ Texturas do Brasil em fotografia: Maranhão

+ Analógico x digital: a fofotgrafia intuitiva nos dias de hoje

Você pode também gostar de

error: