Bem-estar/ Lifestyle

RITUAIS NO TRABALHO E NA VIDA

por

Aproveitando a Lua Nova

A lua nova do mês de agosto estava especialmente poderosa porque era a Lua Nova mais próxima da Terra neste ano. E isso faz com que sua força seja sentida mais fortemente por nós. As luas novas trazem consigo a característica do novo (como o próprio nome diz). Elas são especialmente boas para se desapegar de tudo o que não serve mais e invocar tudo aquilo que se quer construir, criar, materializar na vida. Se a gente parar para pensar, a beleza dos ciclos naturais é que a cada mês temos a oportunidade de dar um reboot nos nossos sistemas (de pensamento sobretudo) e reajustarmos as rotas da vida. 

Foto Siim Lukka, no Unsplash

Para honrar e fazer uso da potência deste alinhamento no céu, eu participei de um ritual da Lua Nova. Estavam reunidas umas 20 pessoas. Nele fizemos uma série de meditações e afirmações que ajudassem a reprogramar nossos cérebros e por conseguinte nossos espíritos, na direção dos nossos objetivos e sonhos maiores. 

Em si, todos os exercícios eram simples. Do tipo que sozinhos poderiam ser feitos em casa, sem nenhuma grande orquestraçāo. Mas é justamente aí que vive o poder dos rituais: a escolha cuidadosa do quê e a intencionalidade de cada coisa. 

De volta para o nosso centro

Cada vez mais estou convencida de que nessa vida moderna, urbana e ultra conectada, rituais sāo fundamentais para ajudar na nossa sanidade e bem-estar. Seja um ritual matutino, ou antes de dormir que você faz consigo, com seu companheiro ou com os filhos, seja algo que voê faz com seus amigos, seus pais, e seus co-workers. 

Os rituais têm o papel de nos trazer de volta para o nosso centro. Eles preenchem aquela partezinha de nós que fica vazia conforme vamos andando pelo mundo e dispensando nossa energia com o trânsito, o contrato, o boleto, a proposta, a discussão. 

O que faz com que rituais sejam importantes:

Eles sāo um marco no espaço-tempo: por aquele momento honramos o sujeito do nosso ritual e o propósito ao qual se propõe. Honrar, aqui, significa dar importância, imprimir valor, dedicar tempo e atenção. Um momento para o qual podemos voltar toda vez que quisermos nos lembrar, nos conectar. 

Por meio deles criamos intenção: rituais catalisam nossa atenção para aquilo que intencionamos criar, manifestar, projetar. Sejam eles individuais ou coletivos, os rituais têm o poder de cristalizar aquilo que desejamos em um momento no tempo, desde a intenção de um corpo mais saudável até de uma equipe mais colaborativa.

Eles trazem ritmo pra vida: existem os ritmos naturais e os ritmos cronológicos, um que obedece a ordem cíclica da natureza e o outro que obedece os tempos definidos pelo calendário. Ritmo nos ajuda a marcar a vida, a entrar em cadência com um algo maior, a reunir nossa força, a nos organizar interna e externamente. 

Invariavelmente rituais ajudam a congregar pessoas: Em tempos de grande separação e individualismo decorrente da velocidade e das demandas da vida moderna, estar junto tornou-se algo valioso. Rituais podem ser ótimas oportunidades para se juntar com as pessoas com quem compartilhamos afeto, visão de mundo e crenças. Reunir um grupo de pessoas na ocasião de um ritual pode ser algo muito poderoso. A experiência compartilhada gera conexão, cumplicidade e estreita a confiança entre as pessoas. Nestes espaços lembramos que não estamos sozinhos e que no final do dia nossas lutas diárias são parecidas, bem como nossos anseios e nossos mais profundos desejos. 

Seu próprio ritual em casa ou no trabalho

Rituais não precisam só ser algo feito individualmente ou conectado com uma prática espiritual. Empresas também podem (e devem) construir seus próprios rituais. Estes rituais podem marcar momentos importantes no ano, celebrar vitórias e anunciar novas possibilidades. Eles têm o poder de injetar energia nos colaboradores, de abrir espaços de troca e de conversa onde o lado “mais humano” é valorizado e trazido à tona. As conexões e o sentimento de pertencimento gerado por esses rituais são gigantes e cada real investido e tempo dispensado para eles vão trazer retornos, invisíveis, mas profundamente perceptíveis. 

Empresas e times que ritualizam

No mundo dos esportes, existem muitos exemplos de rituais que ajudam na performance dos times. Por exemplo, o time nacional de rugby da Nova Zelândia, All Blacks, atribui muito de seu sucesso aos rituais que estão na fundação da sua cultura. Ao final de cada jogo, ganho ou perdido, em casa ou fora, todo o time limpa o vestiário até ficar um brinco. É um ritual desenhado para mostrar agradecimento, construir humildade e reforçar que cada membro da equipe é tão importante quanto o outro. 

Muitas empresas estão entendendo que criar rituais pode ser decisivo para obter um ambiente de inovação em seus times. O mais importante é que esses rituais imitem e reforcem as características com que essa empresa quer se associar, como estar confortável com o fracasso e a colaboração nas equipes. Algumas equipe no Google, por exemplo, iniciam sua reunião semanal com cada membro compartilhando um fracasso – pessoal ou profissional – e o que eles aprenderam com isso. Esse ritual se repete a cada semana e ajuda a construir um espaço de confiança e abertura para o fracasso e, claro, para o sucesso também. 

Intenção na próxima Lua Nova

Sejam rituais individuais ou para serem feitos no trabalho ou na sua empresa, o importante é que sejam carregados de intenção e que possam ser repetidos ao longo do tempo. Eles necessariamente têm a ver com os valores que queremos imprimir nas nossas vida ou na cultura das nossas organizações. 

Em breve teremos mais uma Lua Nova, uma nova oportunidade de se conectar com aquilo que você quer manifestar, com seus valores e suas intenções. Porque não aproveitar para criar um ritual só seu, ou da sua equipe, começando amanhã, dia 28 de setembro? 

*Valentine Giraud é facilitadora e curadora em contextos de inovação e liderança criativa. Nascida no Brasil, construiu sua carreira pelo mundo. Ao longo de 15 anos se especializou em desenhar processos de grupo com foco em desenvolvimento de lideranças, processos dialógicos e design thinking. Foi uma das fundadoras da rede Art of Hosting no Brasil e da Hub Escola, maior escola aberta de inovaçāo social do país. Formada em Relações Internacionais, é alumni do Programa Executivo de Liderança Criativa da THNK School of Creative Leadership. Trabalha com.executivos de diferentes empresas do Brasil também como curadora de experiências de aprendizagem para hubs de inovação ao redor do mundo. 

Além disso tudo, ela ama viajar, trabalha sua criatividade tocando alfaia no bloco de Maracatu, o Arrianu Suassunga, e em aulas de dança contemporânea. Quando consegue escapar de São Paulo, foge para um bom banho de folha ou de cachoeira. Valentine tem sua prática espiritual que realiza num templo de Umbanda, sendo uma pesquisadora dos fenômenos da consciência desde muito jovem.

Leia outros posts da Valentine aqui no CENA CRUA:

+ Gift Economy: dê o seu melhor para o mundo

+ Por horas mais sinceras

Você pode também gostar de

Sem comentários

Deixe uma resposta