Lifestyle

POR QUE É FUNDAMENTAL IR AGORA AO IMS?

por

Porque se trata de um encontro, ou de um reencontro essencial. Se trata de uma oportunidade de tocar na intimidade dos Yanomamis, das suas tradições e rituais de forma absolutamente única. Porque provavelmente, seria impossível de outra forma. A não ser pelas imagens que a fotógrafa Claudia Andujar captou durante os mais de 20 anos em que conviveu com os índios na Amazônia.

A exposição Claudia Andujar: a luta Yanomami, em exibição no Instituto Moreira Salles de São Paulo, reúne centenas de retratos e registros do cotidiano na floresta e é um resgate substancial da história do Brasil. São dois andares apresentando fases distintas do trabalho da fotógrafa que se tornou uma importante ativista pelos direitos indígenas e pela demarcação de suas terras.

claudia andujar retrato modaEditorial de moda clicado por Claudia Andujar para a revista “70”, da Ed. Abril, nos anos 70 *

Essa trajetória de envolvimento profundo e de confiança plena começa em 1971, quando Claudia registrou os Yanomamis pela primeira vez, para a revista Realidade. Hoje, faz todo sentido ir a esse encontro, se aproximar do que não aprendemos sobre os índios e nós mesmos.

Além da temática política e social que transborda das imagens, elas revelam a estética preciosa e artística nos rostos e corpos dos índios fotografados, a beleza de seus traços naturais e das pinturas que não podem ser copiadas. Antes de vestir aquela fantasia de carnaval daqui a alguns dias, é fundamental ir ao IMS e sentir como saímos de lá. Eu saí com o coração apertado, mas ainda mais apaixonada pela cultura original do país, pelas raízes que não podem ser arrancadas mesmo sendo constantemente ameaçadas. Fica até o dia 7 de abril, mas a dica é: vá agora, porque a exposição é linda demais!

* Adorei a descrição da maquiagem no editorial que, aliás, foi toda feita pelos índios da tribo Kayapó-Xikrins. Aqui vai na íntegra, com o direito à acentuação da época: “Beleza para os índios é pintura. A base é jenipapo misturado com cinza (prêto-azulado) e urucum esmagado com óleo (vermelho). Formais, absolutamente sem inovação, os motivos são aqueles que os antepassados traçaram. Uma só diferença: há uma pintura para a vida de todo dia e outra para os dias de festa. Exatamente como acontece as roupas dos civilizados. Para os dias de festa, esses dois longos. Um estampado em new-gazar e outro liso em gazine.”

Você pode também gostar de

Sem comentários

Deixe uma resposta