Comportamento/ Para pensar junto

OLÁ, ANO NOVO!

Recomeçar é sempre uma tarefa que envolve cálculos e recálculos de rotas, manejo e remanejo de planos e ideias. Fechar a conta de um ano inteiro é inevitável! Para uma reflexão rápida sobre o desapego e a chance de dar um refresh na cuca antes do ano virar, compartilho o texto da psicoterapeuta Kelly Camargo, colunista do site da Coach Cintia Xavier.

Por Kelly Camargo

A vida é feita de pequenas mortes

Nossa vida é feita de pequenas mortes. Estamos morrendo e renascendo a todo instante. Da mesma forma como as células do nosso corpo morrem e se renovam constantemente, como um novo dia começa e como as estações do ano se revezam, nossa vida acontece em ciclos.

Quando esses ciclos se encerram, passamos por períodos de transições. Pode ser o final da infância e da adolescência, que são processos graduais, ou algo repentino, como a morte de alguém da família, o término de um relacionamento, a saída ou troca de um emprego.

Essas transições são oportunidades de reorganizar a vida e mudar antigos padrões para experimentar novos comportamentos. Por se tratar de um período de mudança muitas vezes nos sentimos perdidos, soltos e sem saber para onde ir ou o que fazer.

Somos levados para um lugar novo e desconhecido, um oceano sem forma, sem limites e sem data preestabelecida para acabar, o que pode criar um grande vazio.

Tenho passado por algumas destas transições e, certo dia, alguém  me fez a sugestão de que eu buscasse a sensação de estar boiando no mar, sem pensar muito ou tentar controlar qualquer situação. Eu parei para refletir e me dei conta de que não sei boiar. Para conseguirmos flutuar na água precisamos somente encher os pulmões de ar e relaxar, confiar e perder um pouco o controle, o que é para mim uma grande dificuldade.

Algumas fases da nossa vida, como quando passamos por mudanças, exigem exatamente isto, que possamos abrir mão do controle para que o corpo e a mente possam se reorganizar e assimilar os novos aprendizados, como uma preparação para o que está por vir.

São estes períodos que nos convidam a entrar mais em contato com nossos sentimentos, insights, sonhos e imagens possibilitando assim a criação de padrões próprios e autênticos. É o momento de confiarmos na vida e estarmos prontos para o que ela tem para nós.

Neste fim de ano quero aprender a boiar, preciso acomodar as minhas mortes.

Kelly Camargo

Kelly Camargo é psicoterapeuta, formada em Psicologia pela PUCRS e em Artes Dramáticas. Cursa Especialização em Psicologia Analítica e Abordagem Corporal – Jung e Corpo –  no Instituto Sedes Sapientiae – SP. Para quem quiser entrar em contato com ela, deixamos o seu e_mail: kellyscamargo@yahoo.com.br

+ Desejo para 2017: dar um pulo no Chile!

Você pode também gostar de