Bem-estar

MATCH:
YOGA E VINHO

por

Faz tempo que acompanho o trabalho da Roberta Costa, idealizadora do Ashta Retiros, um projeto que tem como maior desafio e potencial reunir pessoas em busca de autoconhecimento através da leveza. Roberta é da opinião de que um processo de transformação pessoal pode acontecer com equilíbrio num ambiente agradável, divertido, e num contexto coletivo que respeite o tempo de cada um. Essas são as bases dos eventos do Ashta, e eles são muitos e variados. Até agora, foram mais de 20 edições em diferentes versões. Uma delas é o Ashta Day, como o nome sugere, um encontro de um dia só longe do fuzuê da vida cotidiana.

O mais recente foi na Vinícola Guaspari, uma antiga fazenda de café que hoje produz vinhos de alta qualidade e que fica a duas horas de São Paulo, em Espírito Santo do Pinhal. A região é conhecida pelo clima e altitude favoráveis para o plantio das uvas. A vinícola se destaca pela ampla produção com rótulos de tintos, brancos e rosés, alguns já premiados em importantes competições internacionais como o Syrah Vista do Chá 2012 e o Chardonnay Vista do Lago 2016. Para quem ama vinho, o lugar é um pequeno paraíso porque é bonito, aconchegante e completo. Todas as fases que envolvem a feitura de seus vinhos acontecem lá e por isso fica fácil uma imersão na sua cultura com visitas guiadas e degustações.

Pois bem, essa foi a ideia da Roberta para o segundo Ashta Day com vinho. O primeiro aconteceu na antiga loja da estilista Adriana Barra, no Jardins, e eu também estava lá. Foi uma delícia de fato, mas naquela vez eu cheguei atrasada e não consegui praticar a yoga. Só degustei os vinhos enquanto ouvia a sommelière Luciana Natale falando sobre cada um deles. No fim, estávamos todos relaxados, em pleno dia de semana, como se a vida fosse mais simples do que é (e muitas vezes é, só depende do estado em que estamos e com o qual encaramos as coisas).

Na vinícola, a interação da yoga com o vinho não tinha como não acontecer. Já que o dia envolvia uma viagem rápida de ônibus, eu estava preparada para participar de toda a programação. Carol, minha partner no CENA CRUA, também e mais tantas outras pessoas, umas 35, que Roberta recrutou através de suas redes e da história dos retiros. Aliás, em uma edição do Ashta Detox (outra versão mais extensa do retiro) tive uma experiência transformadora sobre a qual contei no post A sustentável beleza de ser. E, ali no ônibus, vendo tanta gente com estilos de vida diferentes, atuando em áreas profissionais distintas, percebi que a palavra TRANSFORMAÇÃO, com o seu poder de inspirar, é o que atrai cada vez mais pessoas para experiências com esse propósito. Sejam elas adeptas da yoga ou não, da meditação ou de outras práticas espirituais e de bem-estar. Estavam lá todas com o mesmo desejo por alguns momentos sagrados e para respirar com mais calma. Aquela sensação parecida que um bom vinho traz.

Fotos: Marco Maia

Essa duplinha yoga mais vinho, nessa sequência, dá até uma onda. O que senti foi que aumentei todas as boas sensações que estavam passeando pelo meu corpo. Relaxei mais profundamente e também me senti mais grata por ter a oportunidade de aproveitar os benefícios da yoga e de saborear um vinho bom. Na medida certa, sem exagero, também foi possível apreciar com mais atenção as nuances de cada taça e perceber mais os seus sabores. No decorrer do almoço vegano assinado pela Vivi Barros, bebemos mais vinho e num ritmo mais livre. O resultado foi um final de tarde com música alta numa espécie de happy hour com muita lycra! Alguns dançando, outros no silêncio pela natureza ao redor. Cada um na sua vibe.

Pra mim foi como sempre. Tenho os meus tempos de mergulhar fundo em mim, e durante a prática de yoga senti um reencontro muito esperado e emocionado, já que desde o final da minha gravidez, há quase dois anos, eu estava sem praticar yoga. Chorei muito, senti cura, alonguei e tirei a poeira do corpo físico e emocional na beira do lago, ouvindo os passarinhos. Depois, emergi para ver em volta, para trocar, relativizar, cantar e dançar. Essa é a riqueza do projeto e a forma como Roberta encontrou para reunir pessoas interessantes e interessadas em se transformar e brindar a vida. E para cada versão do seu retiro, um mood diferente. Esse foi um pouquinho mais catártico, culpa do vinho!

Você pode também gostar de

Sem comentários

Deixe uma resposta