Bem-estar

LUA, LIVRO, CALCINHA E SANGUE:
UM OUTRO OLHAR PARA O PODER FEMININO

por

MENSTRUAÇÃO DEPOIS DO PARTO

Recentemente passei por uma experiência muito reveladora. Quando minha filha tinha uns 8 meses, eu voltei a menstruar. As mamadas ainda aconteciam em livre demanda e por isso acreditava que era hormonalmente impossível que menstruasse tão cedo. Pois, bem! Um dia, ela voltou, e voltou com tudo!

Minha primeira reação foi péssima! Fiquei indignada me achando uma azarada por ter que passar por todo o incômodo do ciclo enquanto dormia pouco e muito da minha energia ia para a amamentação. Estava cansada demais para lidar com mais aquilo.

Todo esse mindset não me soou estranho por um tempo, eu comentava abertamente com as amigas sobre como estava contrariada em ter que menstruar. Mas isso durou muito pouco. Uma das maiores fichas da vida caiu de forma inesperada durante um banho logo no segundo mês menstruando de novo.

FLUXO E ABSORÇÃO

A primeira regra depois do parto veio muito forte, um fluxo que não imaginava possível. Desconfiei que meu útero passava por uma limpeza, uma faxina lavando todo e qualquer resquício físico e energético da gravidez e da cesárea (sim, foi cesárea e isso é um outro papo). Além de ter que administrar o meu humor com relação àquela novidade, tinha que resolver como iria absorver todo aquele sangue.

Impensável usar os absorventes convencionais, senão, com certeza, eu seria responsável por acabar de vez com o Planeta. Já estava usando fraldas descartáveis na Flora e absorventes nos peitos porque o leite ainda vazava. Não ia ter a cara de pau de produzir mais esse lixo. Não mesmo!

CALCINHAS ABSORVENTES

Copinho nunca me fez a cabeça, embora ache uma solução incrível para as mulheres que conseguiram se adaptar a ela (sinceramente, talvez eu tente num estágio mais adiante). Os absorventes de pano não me atraíram e os orgânicos (menos tóxicos e mais ecológicos) podem ser interessantes, mas me soam “mais do mesmo”. O que sobrou e me pareceu a opção mais simples foram as calcinhas absorventes reutilizáveis. Desde que li sobre a Thinx, há anos, marca norte-americana pioneira no negócio, curti a ideia e o método. Especialmente, porque as calcinhas são bonitas e toda a concepção é prática e respeitosa com a natureza feminina.

Campanha Thinx, marca norte-americana pioneira na produção das calcinhas com tecidos absorventes

No Brasil, a Pantys tem um apelo visual que me encanta, é minimalista e chique, tem uma loja na Oscar Freire que fica relativamente perto da minha casa. Fui até lá, me informei sobre o modo de uso das calcinhas e comprei duas peças para experimentar. No mês seguinte, comprei mais duas e depois mais duas. Entendi que precisava de pelo menos 6 calcinhas, elas são grossas e demoram para secar (não podem secar na máquina). Além disso, dependendo do fluxo, elas duram no máximo 5 horas e precisam ser trocadas, mesmo os modelos para fluxo intenso. Hoje, acho que preciso de mais duas só para garantir e porque realmente elas demoram para secar. É um investimento! A validade média das peças é de dois anos e na ponta do lápis isso dá um valor quase equivalente ao que seria gasto mensalmente com os absorventes descartáveis, um pouco mais na verdade. Mas esse é um tipo de investimento consciente, porque as calcinhas são muito mais saudáveis para o corpo e para o meio ambiente. Existem inclusive várias pesquisas que apontam substâncias tóxicas contidas nos absorventes convencionais. Sem contar com os riscos de infecção bacteriana especialmente causados pelos absorventes internos.

Vermelho, nude e preto são as cores das calcinhas da marca Pantys que vão do PP ao GG, desenvolvidas para três níveis de fluxo e mais um modelo de short noturno
A marca brasileira lançou este ano uma coleção estampada para o público adolescente. A Thinx também tem peças desenhadas para as mulheres nas suas primeiras menstruações

Na Pantys, inclusive, descobri que conseguiria diminuir meu impacto ambiental com os sutiãs absorventes também. Comprei dois, já que naquele momento o peito não vazava mais tanto. A sensação é de que estava inaugurando um novo mundo para mim e que nesse mundo tudo seria muito mais limpo e mais legal. Mesmo!

Outra marca brasileira que apostou nas calcinhas (entre outras opções de absorventes) é a Korui que desenvolveu essa coleção listrada com a Bela Gil
Herself, também brasileira, veste do tamanho 30 ao 60 com uma ampla palheta de nudes numa coleção chamada Plurais, entre outras cores. E, assim como a Pantys, a marca desenvolveu biquínis absorventes

DE VOLTA À RODA DA VIDA

Para começar, além da consciência limpa, descobri que o odor da menstruação que ficava abafada e misturada com outros aromas dos absorventes descartáveis era pior do que na verdade é. Com as calcinhas tudo fica mais suave e agradável. E a tal da ficha sobre o poder e a sorte que é a menstruação veio por conta do cheiro que pude sentir do meu sangue, do cheiro puro que ele exatamente tem. Um cheiro vivo, forte de ferro que acordou todos os meus sentidos e me chamou para ver a beleza e a potência que era voltar a menstruar. Isso aconteceu no banho quando lavei a minha primeira calcinha, enquanto o piso branco do banheiro ia ficando rosa, vermelho, vinho e ganhando todas as minhas tonalidades naturais. Foi uma experiência que me levou para outros tempos, que me lembrou que sou bicho também. Naquela momento, eu louvei a menstruação, me senti realmente feliz por estar de volta ao ciclo. Entendi que ele pode me ensinar muito e me dar novas oportunidades de ser e de agir.

Sinto claramente a minha energia vital e criativa muito mais pulsante, sinto as nuances de estados emocionais e físicos em cada semana e gosto disso. Passei a dar mais atenção ao meu ciclo e, automaticamente, a me entender melhor. Percebi que ainda existe muito a ser descoberto com a menstruação e que tanto as mulheres como toda a sociedade precisa olhar para ela com mais alegria e respeito.

LUA VERMELHA E O PODER DO CICLO

O livro Lua Vermelha, da Miranda Gray, pode ser um ótimo ponto de partida para os interessados no assunto. Ele traz uma pesquisa extensa sobre a menstruação ao longo da História e ilumina a possiblidade de olharmos para o ciclo como uma baita ferramenta de empoderamento espiritual, físico e emocional. Acho significativa a passagem em que ela fala das várias energias que hoje sinto flutuando por mim e por minhas decisões durante o mês: “As energias criativas ligadas ao ciclo menstrual têm diferentes orientações e aspectos, e estão ligadas ao ciclo uterino. Se um óvulo liberado por um dos ovários é fecundado, essas energias se expressarão na formação da nova vida; se ele não for fecundado, a energia ganhará forma na vida da mulher de algum outro modo.” Ainda estou lendo, mas já recomendo porque ele elucida muito bem algumas percepções que passei a ter depois que me livrei da associação da dor e da limitação com a menstruação.

O livro Lua Vermelha foi escrito por uma designer que percebeu que seu trabalho variava muito de uma semana para outra e que isso expressava as diferentes energias criativas do seu ciclo

Lembro que antes de engravidar eu já estava querendo sentir minha natureza mais plena e interrompi o uso da pílula, acho que já era um sinal de que estava precisando me libertar (até mesmo de ideias que cultivei também pela forma como fui apresentada ao assunto na adolescência ou como vi a sociedade tratar a coisa toda). Hoje, tudo tem sido muito mais intenso, fiz as pazes com o meu ciclo e acho que a cólica melhorou (esse mês eu nem senti). Lavar as calcinhas absorventes no banho passou a ser um ritual de conexão com o meu feminino e um momento em que reuno coragem, me abro para novos conhecimentos, me reinvento com inspiração na força e na beleza que é esse ciclo tão expressivo no sangramento.

É empolgante como algo natural, se encarado com atenção e carinho, pode ser tão transformador e trazer tanto bem-estar e autoconhecimento. Fico aliviada só de pensar que tudo vai ser diferente quando minha filha menstruar ou, como diziam delicadamente nossas mães e avós, quando ela “virar mocinha”. Recomendo livro, calcinha e tudo mais!

+ VIDA SLOW E PRODUTIVIDADE 

Você pode também gostar de

2 Comentários

  • Reply
    Claudia Dias
    outubro 15, 2019 at 6:59 pm

    Paula querida você como sempre tem um jeito muito especial de passar suas experiências , emoções e descobrir o sentido prazeroso no que parece difícil . Parabéns por suas dicas . Achei sensacional !

    • Reply
      Lila Guimarães
      outubro 17, 2019 at 9:23 am

      Obrigada, tia! Você ue conhece bem esse assunto ainda vai poder me contar mais quando nos encontrarmos! Beijos

    Deixe uma resposta