Receba nossa newsletter

UMA IMERSÃO SUSTENTÁVEL NA PATAGÔNIA CHILENA

 

Há exatos cinco meses eu partia para conhecer a Patagônia chilena em uma viagem a trabalho que marcou minha vida. Agora, finalmente, começamos a divulgação de uma ideia que nos perece fazer muito sentido com o projeto Torres e Domos.

Em foco, viagens sustentáveis e iniciativas que animam o cenário do turismo para o futuro. Com idealização e produção da agência The Upper Air (Victor Affaro e Tiago Mucio), os dez dias em Torres del Paine gerou um conteúdo completo em filme e textos que escrevi para o canal Terramundi Creators, nosso parceiro nessa empreitada.

Acompanhamos o navegador Amyr Klink numa imersão ancorada no ecolodge de luxo EcoCamp Patagonia, no Parque Nacional Torres del Paine, para descobertas que inspiram uma nova forma de viajar.

 

 

 

PERTO DO CORAÇÃO SELVAGEM

 

Em contato com a produção literária assinada pelo navegador brasileiro Amyr Klink, em que documenta as maravilhas e os desafios de suas explorações marítimas, é inevitável intuir que desafiar de fato a natureza não é ir contra ela. É se adequar a seus movimentos e encontrar uma forma sinergética e inteligente de estar ali, selvagem e livre como ela. Por mais que as condições sejam adversas e sempre imprevisíveis.

Com uma trajetória respeitável, percorrida por mais de 250 mil milhas, Amyr parece ter desenvolvido um faro intuitivo que o faz encontrar rapidamente as soluções mais criativas para suas viagens. Seus sonhos têm um nível de complexidade prática acima do normal e para realizá-los é preciso envolvimento integral.

 

Amyr Klink

Amyr Klink no EcoCamp Patagonia

 

É ele que antes de embarcar estuda da engenharia à astronomia e pesquisa o fluxo dos rios submersos, as poderosas correntes oceânicas usadas a seu favor. Sua história é marcada por buscas e ideias que podem parecer absurdas, mas que apontam para realizações extraordinárias.

É preciso ser louco ou sábio para alcançar o sucesso, dizem, e Amyr se garante apostando alto em ser tudo o que é. Assim, mais do que um mito e seus feitos heroicos, ele é um criador de realidades, mecanismos e estruturas. Um homem conectado com os recursos materiais possíveis e adepto do que chama de “engenharia da necessidade”.

Também entra no seu vocabulário técnico-filosófico a “democratização dos esforços”, assim como ideias sobre o não desperdício e a preservação ambiental. Tecnologias simples e eficientes aplicadas em projetos de vida longa em alto-mar sempre fizeram sentido. “Não é que a gente viaja, a gente constrói os meios para viajar, e a preocupação com o impacto, o desperdício também é muito grande”, conta Amyr.

Hoje, existe um enorme esforço em criar caminhos mais saudáveis para o mundo que, urgentemente, precisa de cuidados. Novas soluções de baixo impacto já saíram do papel, e saem a todo momento. Encontramos cada vez mais projetos com essas preocupações e a serviço da construção de um equilíbrio maior entre o homem e o meio ambiente.

Agora, temos o poder de definir uma nova relação com o mundo e a chance de viver essa integração com liberdade e conhecimento. Habitar o planeta nesse contexto é praticar uma empatia vertical com a natureza para além de admirá-la e registrá-la.

Seguindo essa lógica, iniciativas por todo o mundo se destacam pela relevância e inovação apoiadas em tecnologia limpa, design inteligente e negócios justos. Na Patagônia chilena, o EcoCamp é um exemplo disso. Um ecolodge de luxo no coração do Parque Nacional Torres del Paine, que vem transformando o seu entorno há mais de 15 anos.

Durante o último outono, o comandante esteve neste cenário composto também pela arquitetura dos domos geodésicos – característica única do EcoCamp e construção que Amyr conhece bem e curiosamente vem desenvolvendo em São Paulo. Foram dez dias. Cada um deles tingido com infinitas tonalidades de céu.

 

Torres del Paine Patagonia

Torres del Paine

 

torres del paine patagonia chile

 

Hospedado nas estruturas que garantem baixo impacto no solo patagônico e alta eficiência em conforto e funcionalidade, a integração com a natureza e a paisagem do parque foi intensa e imersiva. “Ficar no EcoCamp se assemelha muito à experiência de encontrar um bom ancoradouro numa baía grande. A gente fica como se fosse baseado no barco que está com os cabos seguros nas pedras, nas árvores, bem fundilhado, para aguentar as variações de tempo. Onde você tem o refúgio no final do dia. Um banho quente”, diz Amyr.

O projeto idealizado por Javier Lopez, Yerko Ivelic e Nani Astorga – dois engenheiros e uma ambientalista – tem influenciado visitantes e a vida local, protegendo paisagens e ecossistemas delicados. Estabelecendo encontros viscerais com a natureza quando, especialmente, inserem seus domos aos pés das Torres.

“As estruturas geodésicas são uma espécie de ícone do conceito de eficiência, de simplicidade, de fazer mais com menos, de mobilidade. Eu gosto da sua beleza funcional, do design quando ele vai chegando na essência da função”, completa o navegador.

 

EcoCamp Patagonia

EcoCamp Patagonia

 

EcoCamp patagonia viagens

 

Quem conhece a Patagônia ou já ouviu falar sabe da fama de seus ventos e da variação de temperatura em curto espaço de tempo. Sua dinâmica atmosférica é impetuosa. Mexe com os sentidos do corpo como se quisesse impor sua potência para nunca ser esquecida. No meio disso tudo, Amyr ancorou. Seguro, com o mínimo de impacto e o máximo de profundidade. Sobre esse território, com o olhar para o futuro que nos identifica com Amyr, revelamos uma viagem peculiar à Patagônia, uma das paisagens mais interessantes do mundo.

 

Paine

Cordilheira Paine ao fundo

 

Montanhas do Lago Nordenskjöld

Cordilheira Paine e o Lago Nordenskjöld

 

Paine Grande e Los Cuernos ao fundo

Paine Grande e Los Cuernos ao fundo

 

Os cavalos de um baqueano na base das Torres

Os cavalos de um baqueano na base das Torres

 

Glaciar Crey

Glaciar Crey

Filme e fotos: Victor Affaro / The Upper Air

Como se tudo fosse embalado com aquele nostálgico carimbo de feito com amor, assim são os produtos e os processos que o Mercado Manual nos apresenta durante este final de semana em São Paulo. A 6ª edição do evento traz mais de 100 expositores, entre projetos e marcas autorais que unem bem-estar, arte e sustentabilidade. Oficinas e shows também entram na programação.

Estaremos lá compartilhando pelos vídeos do Instagram. Quem ainda não segue o Cena Crua, o endereço é @lilaguima.

Outro endereço que vale citar, sem dúvida, é onde tudo isso vai acontecer: o Museu da Casa Brasileira, um lugar surpreendente que descobri há pouco tempo. Vale a visita a qualquer momento para ver o seu acervo de mobiliário e ainda almoçar no delicioso Santinho.

Para os interessados em moda, gastronomia, design, arte, beleza e bem-estar, o final de semana no museu tá favorável! E como um dos assuntos preferidos por aqui é beleza, seguem as marcas que participam desta edição do Mercado Manual:

SAL DO BEIJA-FLOR COSMÉTICOS NATURAISCosméticos Sal do Beija-Flor

 

Beleza

SABON SABON (um dos sabonetes artesanais mais maravilhosos que eu já usei, vale uma matéria só pra isso em breve!) – BOA SABOARIA – CAPITÃO – JACI NATURAL – PRIMEIRA FOLHA – SAL DO BEIJA-FLOR – REALINDO

 

Outros destaques

Oficina de geleias artesanais com Mermeleia

Décor em tapeçaria com Julia Maia

Olive Cerâmica

Atelier Casulo

 

PROGRAMAÇÃO 

SÁBADO – 2/09

[OFICINA] 12h às 13h: Cosmetologia Natural, com Sal do Beija Flor

[SHOW] 13h15 às 14h15: Núbia Maciel e Trio

[OFICINA] 14h30 às 15h30: Pipas, com Scoparo

[SHOW] 15h30 às 16h30: Isadora Canto

[OFICINA] 16h30 às 17h30: Terrários, com Duo Solo

[SHOW] 18h às 19h15: Silibrina

 Durante todo o dia: Erê Lab

DOMINGO – 3/09

[OFICINA] 11h às 12h: Café filtrado, com OCabral

[SHOW] 13h15 às 14h15: Carol Panesi

[OFICINA] 14h30 às 15h30: Geleias artesanais, com Mermeleia

[SHOW] 15h30 às 16h30: Poin

[OFICINA] 16h30 às 17h30: Do Ponto ao Pássaro, com Clube do Bordado 

[SHOW] 18h às 19h: Yannick Delas

– Durante todo o dia: Erê Lab

Entrada gratuita

Para saber mais sobre o evento, cliquem aqui!