Receba nossa newsletter

Beleza Crua/ Para pensar junto

VAMOS TREINAR
UM NOVO OLHAR?

envelhecer bem beleza cena crua

Por Carolina Vasone

Você analisa a beleza de uma mulher considerando a idade dela? Na linha: “ela é bonita apesar da idade”, ou “para a idade que tem, está muito bem”? Ou quando acha alguém bonita (ou bonito, mas com os homens é outra história, não é mesmo?), acha bonita e ponto, sem pensar no tempo que passou desde que ela nasceu?

Não quero ser hipócrita e dizer que, nossa, amo ver meu rosto envelhecer a cada dia (embora seja o que acontece desde que nasci, não é mesmo?). Nem acredito que para se ver beleza numa pessoa com rugas e flacidez é preciso impor a beleza natural e ser contra qualquer procedimento estético. Mas acho que é mais saudável, e menos frustrante, a gente encarar os tratamentos como ferramentas pra gente se sentir mais bonita nessa encarnação atual. Quem você foi há 10 anos ou há cinco minutos, já não é mais você. E quem você foi, não necessariamente é melhor do que quem você é hoje. A gente nem deveria desejar isso, porque senão, afinal, onde estaria a evolução?

Olha só: ninguém fica pensando obsessivamente na capacidade que tinha, aos 20 anos, de virar a noite. Apenas se adapta. Por que vai obcecar com um rosto do passado?

O que significa envelhecer, afinal? Consideramos algo velho quando essa coisa ficou presa no passado, não tem mais conexão com o presente. O velho – e tente aplicar para todas as áreas, me parece que dá certo – não tem necessariamente a ver com o passar dos anos, mas com a incapacidade de renovação e inovação. De trazer o frescor da novidade. Isso, a meu ver, independe da idade e até muito pelo contrário: alguém que tem repertório e sabe se atualizar, um perigo de sucesso absoluto essa pessoa!

Acontece que a nossa cultura de endeusamento da juventude (e aí a beleza é só uma das muitas vítimas) castrou nosso olhar e nos treinou a interpretar como belo apenas os que são jovens. Será que não podemos questionar se não é esse conceito – e não necessariamente o envelhecer – o obsoleto?

Vamos treinar um novo olhar?